6.7.10

Roupas de inverno —como conservá-las

Existem algumas regras básicas para que seu guarda-roupa de frio sobreviva, pelo menos, até o próximo inverno. As roupas têm seus inimigos: ácaros, mofo, fungos, bolores e traças. Quem as usa — e as guarda — também comete erros. Um dos enganos mais comuns é armazenar as roupas em sacos plásticos.

Algodão

O uso no dia a dia: o algodão está presente em, pelo menos, 50% das peças que compõem o guarda-roupa do brasileiro. Resistente e confortável, não exige cuidados especiais
Como guardá-lo no armário: mantenha a roupa em local arejado porque, por se tratar de uma fibra natural, está sujeita à ação de micro-organismos

Cuidados para a preservação: roupas de algodão podem ser lavadas com sabão em pó. Prefira amaciantes com ação bactericida. Isso evita que as bactérias fiquem alojadas na poeira retida nas fibras fechadas do algodão. Camisas devem ser passadas levemente úmidas. Os moletons encolhem cerca de 5% na primeira lavagem. Se forem colocados indevidamente na secadora, encolherão ainda mais

Poliéster

O uso no dia a dia: derivado do petróleo, o tecido é feito do mesmo material usado na confecção de garrafas PET. Está em ternos e forros de casacos
Como guardá-lo no armário: mantenha as peças em cabides que não marquem o tecido, dentro de armários arejados

Cuidados para a preservação: peças como ternos e calças que têm poliéster em sua composição exigem cuidado redobrado na hora de passar. Use sempre sapata de teflon para ferro, a fim de evitar que o tecido queime ou fique com brilho

Lã acrílica

O uso no dia a dia: é uma fibra sintética desenvolvida para substituir parcial ou completamente a lã. A probabilidade de que o acrílico pinique a pele é menor, mas ele se deforma com mais facilidade do que a lã natural. Para evitar que se deforme no corpo, evite comprar roupas justas – e não puxe as mangas. Hoje há fios de acrílico mais finos do que a própria lã, mais suaves e com tramas mais cerradas, que aumentam a capacidade do tecido de reter calor

Como guardá-la no armário: os micro-organismos não atacam as fibras, mas podem agir na sujeira que fica entre elas. Guarde a peça limpa

Cuidados para a preservação: a lã acrílica requer os mesmos cuidados que a lã natural. Peças com essa composição também devem ser dobradas e colocadas, de preferência, em sacos de TNT. A única diferença é que elas podem ser lavadas com qualquer tipo de sabão em pó

Lã ou cashmere

O uso no dia a dia: use sempre uma camiseta de manga comprida por baixo – os ácaros se alimentam de resíduos da pele e, apesar de ter vida curta (50 dias, em média), reproduzem-se rapidamente e aos milhões. Cuidado também com respingos de alimentos, que atraem traças.

"Mesmo limpas na aparência, peças de lã carregam suor, vestígios de cosméticos, poluição, poeira. Guardadas sem limpeza, elas sofrem a ação do tempo e se oxidam, ganhando manchas permanentes", diz Ricardo Monteiro, coordenador técnico da Quality Lavanderia

Como guardá-los no armário: nunca pendure no cabide as peças de malha – elas se deformarão na certa. Guarde-as em saquinhos de TNT. Para combater as traças, além de guardar as roupas sempre limpas,é recomendável contratar uma empresa para dedetizar os armários uma vez por ano

Cuidados para a preservação: se a etiqueta permitir a lavagem em casa, faça-a sempre à mão e com detergente neutro. O sabão em pó é alcalino e fará com que a peça encolha e endureça. Na hora da secagem, esprema a peça sem torcê-la e deixe-a pendurada na horizontal, distribuindo o peso no varal, para evitar deformações. Ternos de lã devem ir direto para a lavanderia

Couro

O uso no dia a dia: nunca guarde roupa de couro imediatamente depois de usá-la se estiver úmida. O correto é arejar e secar a peça de um dia para o outro e só então guardá-la. Manchas de gordura e álcool dificilmente são removidas do couro sem deixar rastros. O melhor é a lavagem a seco na lavanderia

Como guardá-lo no armário: proteja as peças com capas de TNT, de preferência escuras, para evitar que o couro se suje ou degrade com a incidência da luz. O casaco de couro deve ser pendurado em cabides plásticos ou de madeira. Eles precisam ser largos, para evitar deformação nos ombros

Cuidados para a preservação: uma vez por mês, tire as peças do armário e deixe-as arejar em algum lugar fresco e com sombra – o sol pode queimar e desbotar o couro. É indicado levar esse tipo de roupa a uma lavanderia a cada seis meses para que passe por um processo de higienização e hidratação

Couro sintético

Uso no dia a dia: por ser feito de poliuretano, um produto sintético, está menos sujeito à ação de micro-organismos. No entanto, sua durabilidade é menor: ele é frágil e mais fácil de rachar do que o couro natural. A pelagem das peças que imitam camurça sai com facilidade tanto na lavagem como no uso

Como guardá-lo no armário: ao contrário do couro natural, pode ser exposto à luz e, portanto, não precisa ser guardado em capas de TNT

Cuidados para a preservação: como os tecidos sintéticos costumam impedir a transpiração, é aconselhável limpar a peça toda vez que usá-la por um período prolongado. A higienização pode ser feita em casa mesmo, com escovas macias, água e detergente neutro. Se a luz não faz mal às peças, a exposição demorada ao sol as prejudica. A resina usada em seu tratamento perde a elasticidade e se rasga com o tempo

Náilon

O uso no dia a dia: a fibra sintética é impermeável ao vento e aos líquidos. Para manter o corpo aquecido, contudo, dê preferência aos casacos acolchoados – pois é o recheio que funciona como isolante térmico

Como guardá-lo no armário: deve ser guardado limpo e completamente seco. Caso contrário, o suor retido pode dar um odor desagradável à peça
Cuidados para a preservação: o corante do náilon tem baixa resistência à luz solar – exposta ao sol por muito tempo, a roupa pode ficar amarelada. Peças de náilon não podem ser lavadas na máquina

No litoral, sem mofo

Mesmo no inverno, quando o clima fica mais seco, as cidades de praia sofrem com a umidade – que favorece a reprodução de micro-organismos que atacam os tecidos e deixam um cheiro desagradável nas roupas. Há diversas soluções para o problema, a começar pela caseira: saquinhos de tule com giz pendurados em cabides.

A melhor solução, segundo os especialistas, é o uso do desumidificador de ambientes. "O aparelho elétrico é o mais eficaz no combate ao mofo, mas é preciso instalar uma tomada dentro do armário", diz Ricardo Monteiro, coordenador técnico da Quality Lavanderia. Há também os produtos químicos antimofo, encontrados em supermercados.

Por períodos que variam de dois a cinco meses, eles absorvem a água suspensa no ar. Se o armário for em módulos, é necessário colocar um recipiente com o produto em cada um deles – excetuados aqueles onde haja roupas de couro, que podem ressecar demais e ganhar rachaduras. Não guarde sabonetes nas gavetas para perfumar o armário. Eles atraem umidade. Se quiser um cheiro bom, que seja o do amaciante das peças limpas e lavadas.
Fonte: Revisa Veja

Nenhum comentário:

Postar um comentário