17.7.12

Remédio animal

A convivência com um amigo de quatro patas acalma, facilita a interação, dá confiança e, o melhor, ajuda a superar com sucesso vários problemas de saúde


Foi em abril de 2005 que a paulistana Tatiana Sales descobriu um câncer no colo do útero. Depois de ser opera - da - e de várias sessões de radioterapia -, teve alta em janeiro de 2006, para em março desse mesmo ano receber a notícia de que as células tumorais haviam se espalhado para o intestino, a bexiga e a bacia pélvica. Apesar do prognóstico nada bom e de ser considerada paciente terminal, ela iniciou a quimioterapia, mas foi liberada para voltar para casa, pois nada mais poderia ser feito num ambiente hospitalar.
"Perdi mais de 20 kg e usava máscara hospitalar o tempo todo, pois o meu sistema imunológico beirava o caos, mas não fiquei sem meus gatos nem um minuto. Passamos várias noites deitados no sofá, eu brincava com eles e eram momentos em que eu me esquecia de que estava tão doente, e a dor constante era amenizada", revela Tatiana.


QUEM JÁ PASSOU POR EXPERIÊNCIAS DOLOROSAS DE DOENÇAS OU PERDAS FAMILIARES SABE QUE AOS ANIMAIS, AO CONTRÁRIO DOS SERES HUMANOS, NÃO HÁ NECESSIDADE DE EXPLICAR NADA, SOMENTE DE INTERAGIR


Depois de uma cirurgia longa, em que era tudo ou nada, a saúde voltou aos poucos e hoje ela está curada. "Posso dizer, sem dúvida alguma, que hoje sou uma pessoa muito mais equilibrada e preocupada em ser feliz do que era antes.

Naqueles momentos difíceis, meus gatos ficaram comigo e nem se importaram com o meu mau humor, se eu estava descabelada ou com aparência péssima por conta de quimioterapia. Eles não tiveram por mim aquela piedade que tanto corrói e maltrata um doente, pelo contrário, me presentearam com um amor incondicional", diz Tatiana.

Casos assim são tão comuns na medicina que os animais passaram a ser os visitantes mais esperados em hospitais e asilos. E os dados científicos estão aí para provar que, "no contato com o cão, após 15 a 20 minutos, a pessoa libera vários neurotransmissores e hormônios de bem-estar, como dopamina, endorfina, feniletilamina, prolactina, oxitocina, e inibe o cortisol, hormônio associado ao estresse", explica a psicóloga Silvana Prado, da ONG Organização Brasileira de Interação Homem- Animal Cão Coração (OBIHACC), que promove visitas a asilos de idosos.

"Além disso, o cachorro é um ser vivo no qual projetamos nossos sentimentos, ele nos dá uma experiência multissensorial, assume o papel de facilitador da afetividade, interação, confiança e, acima de tudo, o seu amor incondicional ao homem", conclui.

Amor incondicional


Quem já passou por experiências dolorosas de doenças ou perdas familiares sabe que aos animais, ao contrário dos seres humanos, não há necessidade de explicar nada, somente de interagir.

Às vezes, o melhor remédio é fazer carinho na orelha de um cão ou segurar um gato no colo para ter o conforto perdido. A sensação da professora Leila Piffer é exatamente essa. Com a morte da mãe há oito meses, ela teve depressão e desenvolveu uma crise de ansiedade. "Estou em tratamento desde fevereiro deste ano, afastada do serviço, ingerindo remédios controlados, melhorando e procurando reestruturar minha vida nessa nova fase. Conto com a ajuda de familiares e amigos, mas as minhas gatas, a Pititica e a Branquinha, têm um papel fundamental no meu tratamento e nesse período de recuperação", conta ela.

ELES FAZEM BEM À SAÚDE


Apenas 15 minutos de convivência com um animal melhoram muitos problemas de saúde, segundo a organização internacional Delta Society. Dentre as pesquisas já realizadas sobre o assunto, a instituição ressalta as seguintes:
  • A presença de cachorros em hospitais diminui a pressão sanguínea, controla a ansiedade de cardíacos e ajuda a melhorar as funções do coração e do pulmão em pacientes internados.
    Pacientes com doença de Alzheimer têm menos problemas de comportamento e se alimentam melhor em ambientes com aquário.
  • Um cão na sala de espera de consultórios reduz o estresse das crianças
  • A fisioterapia é mais eficaz quando o profissional tem como assistente um cachorro.

  • Idosos que possuem um animal de estimação em casa visitam o médico com menos freqüência.

  • Taxas de colesterol, triglicérides e pressão arterial são baixas em pessoas que têm bicho em casa.

  • Crianças conseguem passar por uma situação difícil na família, como doenças ou perdas, e ter mais auto-estima se têm a companhia de animais.

  • Em adultos saudáveis, os bichos propiciam a diminuição do estresse diário e da solidão.

  • Menos depressão e estresse foram constatados em portadores do vírus HIV que vivem com animais, além de aumentar a vontade de superar a doença.

Nenhum comentário:

Postar um comentário